SÍTIO DO PICAPAU AMARELO

Monteiro Lobato foi um dos escritores brasileiros mais influentes, e ganhou destaque no panorama da literatura infantil, com a sua obra “Sítio do Pica Pau Amarelo, escrita entre os anos de 1920 e 1947 e contada há várias gerações, ficou eternizado por seus personagens carismáticos e identificáveis com nossa realidade.

Hoje, os aparelhos eletrônicos, como celulares, tablets e notebooks fazem parte integral do dia a dia da criança, e as brincadeiras de cunho mais físico e social tem perdido espaço, é mais raro que crianças brinquem como as gerações anteriores

Nesse sentido, o musical “O Sítio do Pica Pau Amarelo” com histórias adaptadas a partir desta obra, significa levar para o público infantil personagens com a essência puramente brasileira, trazendo à tona, um sentimento de resgate da nossa infância, com brincadeiras de roda, soltar pipa, tomar banho de rio, brincar com peão, entre tantas outras que fizeram parte, durante anos, da infância de muitas crianças. É uma peça alegre e divertida, que agradará tanto as crianças, quanto os pais, avós e familiares que irão ao teatro.

A adaptação desta história brinca com a fantasia e a realidade levando as crianças uma visão de como cada pessoa mesmo com suas diferenças e particularidades pode ser muito importante, através da sagacidade de Emília, o espírito pesquisador do Visconde de Sabugosa e a delicadeza de Narizinho.

A PEÇA

Emília apresenta ao público, o lugar onde mora: o Sítio do Pica Pau Amarelo, e explica como foi que ela começou a falar, graças a uma pílula falante dada pelo Dr. Caramujo. O danado do Saci, que estava na espreita, ouve tudo e decide contar para a malvada Cuca que a boneca fala e canta muito melhor do que ela. Enfurecida, Cuca atrai Emília e rouba a sua voz.

O público vai se divertir e se encantar com os personagens Emília, Narizinho, Dona Benta, Tia Nastácia, Rabicó, Visconde

de Sabugosa, Saci, Dr Caramujo e, claro, a Cuca, nessa aventura. Muito mais de apenas entreter, o espetáculo busca valorizar a cultura brasileira, seus autores e suas obras; resgatar a leitura e o contato com o livro físico. A peça teatral nasce no resgate lúdico, no folclore, na imaginação e na importância que ela nos oferece dentro do contexto social e contribui para a construção da cidadania e da nossa identidade cultural.

Texto e direção: Antonio Veiga
Com: Vivi Reis, Nenê Alcantara, Rayana Rodrigues, Valter Navarro, Gesmar Nunes, Guilherme Medeiros, Brunno Brunelli e Fabrício Pappa. Arranjos: Cristiano Matilles
Cenário: Luiz Grafite
Figurino: Fátima Montenegro
Fotografias: Ricardo Casella
Adereços: Eliton Pitta.
Coreografia: Valter Navarro
Visagismo: Brunno Brunelli